Rollerball (1975)



Mesmo que inferior aos marcos que são Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley e 1984 de George Orwell, Rollerball tem seu lugar entre as distopias que merecem atenção.


Produzido em 1975 o filme projetava que em 2018 teríamos uma nova ordem mundial sem países independentes, e administrada por tecnocratas comandados por uma elite desconhecida. Neste novo mundo a história é gradativamente apagada, a união familiar é desprezada e ter um filho é um luxo para tecnocratas e a elite, sendo que o povo trocou sua liberdade pelo conforto material. Parece um roteiro escrito pela ONU.


Neste inferno aprazível a individualidade é suprimida, e o jogo Rollerball é promovido para catarse da violência. Mas um jogador não aceita abrir mão da sua consciência e está disposto a morrer por isso – é Sócrates de patins.


Filme Nota 4 (escala de 1 a 4)