Os Embaixadores de Henry James



Personagens Principais Lewis Lambert Strether – noivo de Marie Newsome, 55 anos, viúvo, editor Chadwick Newsome – filho de Marie, 28 anos, amante de Marie Vionnet Marie de Vionnet – amante de Chad, casada e mãe, 38 anos Maria Gostrey – 33 anos, amiga de Strether

Personagens Secundárias Marie Newsome – viúva, 50 anos, mãe de Chad e noiva de Strether Sarah Pocock – filha de Marie Newsome, esposa de Jim Pocock Waymarsh – advogado, amigo de Strether Mr. Bilham – amigo de Chad, americano, artista Mamie – irmã de Jim Pocock, prometida de Chad em Woollet Jeanne Vionnet – filha de Marie de Vionnet John “Little” Bilham – artista, amigo mais próximo de Chad


Interpretação “Não é tarde de mais para você... Viva tudo que puder; é um erro não fazê-lo... não cometa o meu erro. Viva!” – preleção de Strecher a Bilham


Chad e Strether estão sempre em campos opostos ao longo do romance, mas acabam tendo basicamente a mesma experiência: a expansão do horizonte de consciência. Suas experiências na liberal Paris de Marie de Vionnet expandem a visão de mundo vivenciada na puritana Woollett de Marie Newsome.


Chad aos olhos de Strether amadureceu e tornou-se mais sofisticado e cosmopolita durante sua estada na França. A impudica relação com Marie de Vionnet é um pecadinho da juventude que acaba ajudando-o a retomar com convicção seu destino na terra natal.


A experiência de Strether é igualmente de alargamento da compreensão da realidade e entendimento de sua posição no mundo. Sua mente deixa um certo provincialismo de lado para encarar a situação de Chad com maior flexibilidade, ponderando sobre os seres humanos envolvidos, seus ganhos e perdas pessoais, mais que a virtuosidade da situação. Strecher amplia seu horizonte de consciência compreendendo melhor a si mesmo e aqueles com quem convive: enxerga Marie Newsome como ela é e não se irrita com o comportamento traiçoeiro de Waymarsh. Torna-se menos ingênuo e mais lúcido sem desvirtuar seus princípios como demonstra na recusa do amor de Maria Gostrey (não a ama) e retorno para Woollett (sabe que Paris não é seu lugar – enxerga a beleza mas também o vazio da vida parisiense).


Porém, e diferentemente de Chad, o aprendizado de Strether tem o sabor amargo do sentimento de não ter vivido plenamente, de que a vida passou por ele. Este dissabor demonstra que Strether não soube apreciar totalmente a graça do maior entendimento alcançado. Ele parece compartir com Cálicle (do diálogo Górgias de Platão) a tese de que feliz é aquele que não reprime os apetites e sim os expande e satisfaz, desde que seja bem-dotado por natureza e saiba inteligentemente desfrutá-los. Para Cálicle “o luxo, a intemperança e a liberdade, quando devidamente amparados, é que constituem ao certo a virtude e a felicidade.”


A essência humana (sua areté) não está em experimentar os prazeres da vida ou ter a liberdade de errar, estes são meros acidentes na busca da consciência que remete a sabedoria. O aperfeiçoamento humano não exige o erro e o vício, mas sim que aprendamos com tais experiências se nelas caímos.

Notas

  • Henry James (1843-1916) nasceu nos EUA e adquiriu a cidadania britânica em 1915.

  • Outros romances destacados: The Portrait of a Lady (1881), The Bostonians (1886), The Turn of the Screw (1898) e The Golden Bowl (1904).

  • Os Embaixadores foi publicado em 1903. Henry James considera seu melhor trabalho.

  • Henry James obtém a ideia para o romance ao escutar o apelo do seu amigo escritor William Dean Howells ao mais jovem Jonathan Sturges para que viva intensamente enquanto ainda seja possível. Este apelo é reproduzido ficcionalmente entre Strecher e Bilham.

  • Para Otto Maria Carpeaux o autor expressa em Os Embaixadores o sonho de uma moralidade superior na qual o Belo e o Bom se encontram reunidos na compostura aristocrática.

©2019 by Cultura Animi