On the Rocks (2020)



O enredo nunca deixa claro a que veio. Temos a crise de meia idade da protagonista, seu problema com o passado de abandono pelo pai, e a suspeita de infidelidade que também poderia estar relacionado às outras duas possibilidades anteriores. Mas a troca de relógios ao final indica que deve tratar-se da substituição da figura paterna pela do marido que deveria ter ocorrido no ritual de passagem simbolizado pelo casamento, quando emblematicamente a protagonista vestia branco – o sentido simbólico do branco é a ausência de posição definitiva e representa uma passagem de um estágio para outro (nada que ver com virgindade), a ausência de cor significa a abertura para uma nova possibilidade.

A puerilidade da protagonista demonstra que, apesar da idade e duas filhas, ainda não tinha completado a passagem do casamento. É característica moderna ter enredos com personagens comuns, sem traços humanos mais elevados (o imitativo baixo que Northrop Frye identificou na Poética de Aristóteles), porém elas estão cada vez mais infantilizadas (irônicas na definição de Frye-Aristóteles). Todas personagens de On the Rocks comportam-se abaixo do que seria esperado de adultos normais, o que torna difícil criar empatia com um público maduro.


Mas talvez o filme seja dirigido a um público, não digo infantil, mas imbecilizado. Esta suspeita é reforçada pelo uso e abuso da manipulação politicamente correta expressa nos relacionamentos inter-raciais e homossexuais apresentados ao longo do filme. Fato é que não há espaço para a verdeira arte toda vez que a propaganda ideológica entra em uma obra.


Finalmente, é quase fisicamente dolorido assistir a protagonista, uma atriz dotada de certos recurso dramáticos, contracenando com o sujeito que interpreta seu marido. Será que não tinha nenhum ator disponível para o papel?

Filme Nota 1 (escala de 1 a 5)

PS: o simbolismo de passagem da cor branca também observa-se com a palavra candidato (mesma origem de cândido – de grande alvura) – homem em fase de transição (seu status social mudará caso seja eleito)

©2019 by Cultura Animi