Let the right one in (2008)



Interessante analogia sobre o engodo socialista sueco. Está lá estampado: a horrível arquitetura dos conjuntos habitacionais, os apartamentos desenhados para inibir o convívio familiar, famílias destruídas, os mais idosos sem proposta de vida... a jovem vampira é o próprio governo socialista seduzindo os inocentes para então sugar-lhes a vida, seja de antagonistas ou colaboradores. O jovem protagonista se entrega a uma vida de submissão em troca da proteção (social) da vampira (estatal).


Talvez socialismo não seja a melhor descrição para o que acontece na Suécia e demais países nórdicos. Afinal, o gordo Estado que promete cuidar de seus súditos em troca de altos impostos sobre a renda fomenta agressivamente o livre mercado e a baixa burocracia. E o faz porque precisa do bom e velho ontológico capitalismo gerando recursos de onde sugar para satisfazer suas necessidades. Lembra muito mais o sistema econômico do nazismo alemão.

Filme Nota 3 (escala de 1 a 5)