Biblioteca (Belerofonte) de Apolodoro de Atenas


Personagens Principais Belerofonte – descendente da casa real de Corinto, filho de Posídon (pai humano Glauco)

Personagens Secundárias Preto – rei de Tirinte, purifica Belerofonte, mas o envia para Ióbates com ordem de morte Estenebeia – esposa de Preto, intriga Belerofonte quando rejeitada por este Ióbates – rei da Lícia, orientado por Preto envia Belerofonte para enfrentar diversos perigos Filonoé – filha de Ióbates, entregue em casamento a Belerofonte

Interpretação Entre os feitos heroicos de Belerofonte está o vitorioso combate com a morte de Quimera. Este monstro com corpo e cabeça de leão, patas de bode e rabo com cabeça de serpente simboliza as três formas de perversão imaginativa:

Leão: perversão social de dominação Bode: perversão sexual Serpente: perversão espiritual, vaidade

Tal vitória foi possível graças ao uso de Pégaso (símbolo da imaginação sublimada, sublimação das necessidades corporais) enviado por Atena (símbolo da combatividade sublime, sabedoria) – a perversão só pode ser combatida com sabedoria e qualidades espirituais sublimes.

Mas inclinado a perversão por sua origem paterna (Posídon), e inebriado com suas vitórias Belerofonte orgulhosamente tenta elevar-se com Pégaso para conquistar o Olimpo, apenas para ser precipitado ao Tártaro onde sofre o mesmo fim de Ixíon, torturado e amarrado a sua própria vaidade (as serpentes).

As elevações sublimes são passageiras e o homem deve saber viver também no mundo concreto exposto aos perigos quiméricos. Saber viver alternadamente nestes dois mundos é o ideal grego de harmonia dos desejos.



Notas

  • Os mitos gregos são bem descritos na Biblioteca de Apolodoro de Atenas (morreu depois de 120 a.C.). Porém há indicações de que este livro tenha sido escrito entre os séculos I e II d.C..

  • Belerofonte é neto de Sísifo.

  • Monstro devastando o país tipifica reinado nefasto de rei pervertido, tirânico e fraco.