Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida


Personagens Principais Leonardo – memorando, filho de Leonardo-Pataca Leonardo-Pataca – meirinho (oficial de justiça), imigrante português Comadre – madrinha de Leonardo, parteira Compadre – padrinho de Leonardo, barbeiro Vidigal – chefe de polícia Personagens Secundárias D. Maria – viúva de posses, tia de Luisinha Luisinha – namorada e, depois, esposa de Leonardo Maria – mãe de Leonardo Chiquinha – filha da Comadre, terceira mulher de Leonardo-Pataca Vidinha – mulata de 18-20 anos, namorada de Leonardo José Manuel – finório, pretendente e, depois, marido de Luisinha Maria-Regalada – amante de Vidigal

Interpretação Divertido panorama da sociedade e dos hábitos do Rio de Janeiro no século XVIII (quando a família real aqui se instalou) com uma cítrica visão da fauna humana. Em pleno romantismo, quando a literatura e a poesia vinham lavadas em lágrimas, o autor nada contra a maré e celebra a alegria de viver. Centrado em personagens distantes da aristocracia e da fidalguia, em tom fortemente oral e desleixado, a obra revela as vozes das ruas.


Temos um desfile de profissões e diferentes acontecimentos (e.g. nascimento, batizado, namoro, casamento, festa, morte) sempre sob um olhar burlesco ou tragicômico. É a primeira obra a registrar o espírito festivo e carnavalesco do povo carioca, seu sincretismo religioso e até sua medicina caseira.


Todas as personagens do romance são farsantes. E esta farsa vai continuar na literatura nacional, refletindo a pobreza intelectual, moral e espiritual do brasileiro.



Notas

  • Manuel Antônio de Almeida (1830-1861) publicou Memórias de um sargento de milícias como folhetim para o Correio Mercantil entre 1852/1853 (o autor tinha apenas 21 anos). É seu único romance publicado.

  • Médico de formação, nunca praticou. Jornalista, crítico literário e escritor ia tentar a vida política quando morreu num naufrágio.

  • Românticos da época: o esquecido Teixeira e Souza e os sempre lembrados Joaquim Manuel de Macedo e José de Alencar.

  • A nova vertente inaugurada pelo autor será seguida, entre outros, por Machado de Assis (cujas portas lhe foram abertas pelo autor), Lima Barreto e Marques Rebelo.