Breve História Sobre o Anticristo de Vladimir Solovyov


Mas teria eu de me prostrar perante Ele como uma velha senhora polonesa, como um camponês russo, e dizer: ‘Tenha misericórdia de mim!’?” – Anticristo colocando-se acima de Cristo, tal qual o homem moderno

Personagens Principais Anticristo – líder da elite globalista Apolônio – mago esotérico auxiliar do Anticristo Papa Pedro II – líder católico (nome do último papa na profecia de Malaquias) Ancião João – líder dos cristãos ortodoxos Professor Ernest Pauli – líder dos protestantes


Personagens Secundárias Em uma cidade situada no Mediterrâneo, cinco russos se encontraram por acaso: um velho general, um político, um jovem príncipe, uma senhora, e um desconhecido (Senhor Z – que lerá o manuscrito Breve História Sobre o Anticristo para os demais).

Publicada em 1900, em meio a eferverscência de transformações tecnológicas que envaideciam o homem exacerbando sua húbris, esta curta narrativa se revelou profética. Num futuro incerto, após vencer duas sucessivas guerras contra muçulmanos e asiáticos, a Europa dissolve as nações independentes e forma a União dos Estados Europeus, que progressivamente assume a posição de governo global comandada por tecnocratas de espírito cientificista.


Da elite governamental emerge o Anticristo com o discurso de concentração de poder para permitir a “paz universal e bem-estar geral” – insanidade que parte do princípio de que o mal ocorre no mundo em função do livre arbítrio (liberdade) dos homens, e estes cometem atos maus, logo é preciso coibir, via um Estado forte (i.e. totalitário), a liberdade humana.


O Anticristo não tem nome, mas é também denominado super-homem (übermensch nietzschiano) e “o homem vindouro” – o “novo homem” prometido pelas ideologias revolucionárias. Jovem, filho de uma mulher de vida fácil, vegetariano, e dono de uma grande retórica, o Anticristo é aclamado por todos os jornais – a mídia totalmente corrompida.


Gradativamente o Anticristo compara-se cada vez mais favoravelmente com Cristo até colocar-se acima Dele: ““Cristo veio antes de mim; eu vim em segundo, mas aquilo que na ordem do tempo aparece depois é, em essência, de maior importância. Eu vim pelo fim, o fim da história, e por essa mesma razão eu sou o mais perfeito. Sou o salvador final do mundo e Cristo é meu precursor. Sua vocação foi de antecipar e preparar minha vinda.” – a mais perfeita definição do progressismo (teoria alimentada pelo engodo evolucionista que reveste o simples avanço temporal de melhora em todos os aspectos culturais).


A promessa de um mundo sem sofrimento engana as multidões, mas um número cada vez mais reduzido de cristãos (católicos, ortodoxos e protestantes) se recusa a prostrar-se diante o Anticristo – perda quantitativa e melhora qualitativa da Igreja (em toda escatologia sempre resta um pequeno grupo que será a base do novo renascer, e.g. arca de Noé e o mito de Deucalião e Pirra).


Ao final, os três líderes cristãos, com um punhado remanescente de fiéis, condicionam seguirem a liderança do Anticristo somente se ele subordinar-se ao Cristo. Em resposta o Anticristo revolta-se, provoca a morte do Papa Pedro II e do Ancião João, abre as portas do inferno, e elege Apolônio como o novo líder de uma igreja universal subordinada ao governo – sincretismo religioso em uma nova crença imanente.


Os poucos fiéis remanescentes migram para o deserto para orar e aguardar a volta do Cristo. Posteriormente recuperam os corpos do Papa Pedro II e do Ancião João que ressuscitam, havendo a reunificação, agora verdadeira, da Igreja – a ressuscitação da Igreja. O Anticristo foi desmascarado e o mundo está pronto para o retorno do Cristo – simbolismo do retorno do Rei (o legítimo herdeiro do trono).

O Anticristo é um impostor envolto com uma falsa auréola de beneficência, uma paródia de Cristo. Ele não se manifesta necessariamente numa entidade ou pessoa, mas sim como um conjunto de inverdades (o maravilhoso mundo prometido pela revolução) que afasta o homem do Belo, Bom e Verdadeiro. As personagens secundárias descrevem uma atmosfera de dificuldade em ver as coisas claramente, como uma premunição de catástrofe – relativismo, desinteresse e incapacidade de buscar a Verdade, “o diabo com seu rabo põe uma névoa na claridade divina”.

O Anticristo já está entre nós? A atual falsificação de tudo, a pseudo-espiritualidade e confusão intelectual reinantes diz que sim – o reino do Anticristo é o reino da “contra-tradição”, é anticivilizatório (ver O Reino da Quantidade e os Sinais dos Tempos de René Guénon). E o caos será levado ao paroxismo antes que este conjunto de inverdades desmorone e o Cristo retorne – o Anticristo gozará de um breve triunfo antes de sua derrota final e a retomada de um novo ciclo.


 

Notas

  • Vladimir Solovyov (1853-1900) nasceu em Moscou, Rússia.

  • Filósofo e místico, reagiu ao racionalismo (positivismo, idealismo, empirismo, etc) europeu buscando uma síntese da filosofia religiosa, das ciências e da ética no contexto de um Cristianismo universal unindo as igrejas Ortodoxa e Católica sob a liderança papal.

  • Breve História Sobre o Anticristo foi publicado em 1900. Este relato se torno complemento de Três Conversas posteriormente publicadas em War Progress and the End of History. As três conversas versam sobre o mal e os métodos de combatê-lo.

  • Outras obras destacadas: The Crisis of Western Philosophy: Against the Positivists (1874) e The Meaning of Love (post mortem).

  • William Butler Yeats (1865-1939), preocupado com o crescente espírito revolucionário e o relativismo, escreveu The Second Coming versando sobre a vinda do Anticristo: Turning and turning in the widening gyre The falcon cannot hear the falconer; Things fall apart; the centre cannot hold; Mere anarchy is loosed upon the world, The blood-dimmed tide is loosed, and everywhere The ceremony of innocence is drowned; The best lack all conviction, while the worst Are full of passionate intensity. Surely some revelation is at hand; Surely the Second Coming is at hand. The Second Coming! Hardly are those words out When a vast image out of Spiritus Mundi Troubles my sight: somewhere in sands of the desert A shape with lion body and the head of a man, A gaze blank and pitiless as the sun, Is moving its slow thighs, while all about it Reel shadows of the indignant desert birds. The darkness drops again; but now I know That twenty centuries of stony sleep Were vexed to nightmare by a rocking cradle, And what rough beast, its hour come round at last, Slouches towards Bethlehem to be born?

  • A vinda do Anticristo é narrada no Apocalipse de São João.