O Jogo das Contas de Vidro de Hermann Hesse

Personagens Principais José Servo – Magister Ludi me Castália Mestre da Música – mentor espiritual de Servo Plínio Designori – duplo de Servo no mundo exterior

Personagens Secundárias Padre Jacobus – beneditino, antítese da fé de Servo O Irmão Mais Velho - aposentado membro de Castália Thomas van der Trave – predecessor de Servo Fritz Tegularius – amigo de Servo, símbolo de Castália isolada Tito – filho de Plínio, aluno de Servo

InterpretaçãoAquele que não entende a vida, como irá entender a morte?” – Confúcio


O jogo das contas de vidro é uma tentativa de domar a estrutura da realidade através de um esquema simbólico uno – representa a construção da torre de Babel com toda a sua húbris e sentido gnóstico.


Castália sofre de ahorecia, recusa-se a participar do mundo – recusa das determinações, recusa em agir. Ação negativa, decisão de nada fazer, de não agir. É doente porque quer, voluntariamente. Hipnotizado pela sua capacidade de raciocínio, de forma soberba, decidi não agir. Acredita não valer a pena agir e decide nada fazer.


Hesse faz uma grande crítica da filosofia da história, das tentativas de encapsular a história em fórmulas fechadas como tentam Conte, Hegel e Marx. Isso é impossível, pois ainda não sabemos como a história terminará.


Vemos o conflito entre a ordem ativa (mundo) e a ordem passiva (Castália). Paradoxalmente a imperfeição do mundo o torna mais resistente, ao passo que Castália é frágil. A atração entre Plínio Designore (ativo) e José Servo (passivo) se explica pelo fato deles se completarem – um é o duplo do outro, um deseja o que o outro tem.


A estrutura do cosmo, da realidade, é uma mistura destes dois planos (ativo e passivo / mundano e espiritual) aparentemente separados. E estrutura do cosmo é a catedral de Chartres: onde ordem e desordem se misturam para formar algo ainda mais belo.


Padre Jacobus diz que o homem tem os dois extremos (o cristianismo é capaz de lidar com a imperfeição humana). Servo sai de Castália para conhecer o homem na sua dimensão real e concreta. Servo vive uma vida de verdade apenas após compreender o homem em todas as suas dimensões.


A morte de Servo coincide com o nascimento de um novo dia, na recuperação da normalidade daquela situação distorcida entre ambos os mundos (Castália e o mundo desapegado do espírito). Servo entendeu a vida e estava pronto para morrer. Assim como Hesse entendeu o mundo e morreu literariamente.



Notas

  • Hermann Hesse (1877-1962) nasceu em Calw, Alemanha.

  • Rebelde, desde jovem mostrou-se contrário às instituições e a autoridade. Era um crítico do mundo moderno, mas o foi de forma compassiva, e não destrutiva como comumente observamos na rebeldia.

  • Hesse buscava um sincretismo simbólico entre o ocidente e o oriente, promovendo a filosofia de vida deste último. Suas obras sempre falam da peregrinação do individuo em sua própria alma. E se Demian (1919), Siddharta (1922) e O Lobo da Estepe (1927) dialogam bem com os jovens, a obra O Jogo das Contas de Vidro dialoga com o homem adulto. É o livro da maturidade de Hesse (publicado em 1943), onde ele se reconciliará com o Cristianismo. Esta obra encerrou sua vida literária: a morte de Servo (personagem principal de O Jogo das Contas de Vidro) foi a morte literária de Hesse.

  • A narrativa futurista de O Jogo das Contas de Vidro se passa no século XXIII na comunidade mística de Castália.

  • Descrito como sublime por Thomas Mann, este romance valeu a Hermann Hesse a atribuição do Prêmio Nobel da Literatura em 1946.

  • O conceito de ahorecia foi definido por Constantin Noica em As Seis Doenças do Espírito Contemporâneo.

  • Segue resumo esquemático do determinismo histórico: