As Troianas de Eurípides

Personagens Principais Hécuba – viúva de Príamo, rei de Troia Cassandra – filha de Hécuba e Príamo, profetisa e sacerdotisa de Apolo Andrômaca – viúva de Heitor, nora de Hécuba e mãe de Astiânax Menelau – irmão de Agamêmnon, comandante dos gregos em Troia Helena – mulher de Menelau Personagens Secundárias Poseidon – deus do mar Arena – deusa da sabedoria e justiça Taltíbio – arauto dos gregos Astiânax – filho de Heitor e Andrômaca, ainda criança


Interpretação A peça foi encenada no momento do impiedoso massacre dos habitantes da ilha de Melos pelos atenienses, episódio da guerra do Peloponeso (431-404 a.C.) durante a qual Eurípides escreveu a maior parte de sua obra. Neste mesmo ano a expedição imperialista a Sicília havia sido aprovada (a expedição seria um desastre com o massacre das tropas atenienses). Daí talvez a simpatia com a qual Eurípides tratasse os vencidos de Troia em contraste com a arrogância e brutalidade dos vencedores – especula-se sobre uma possível crítica do autor sobre as ações de Atenas em Melos, a expedição imperialista a Sicília e suas possíveis consequências.

O comportamento dos gregos após a vitória em Troia teria sido castigado pelos deuses, visto que quase todos morreram durante o retorno ou logo ao chegar à Grécia.



Notas

  • Eurípides (484 a.C. – 406 a.C.) nasceu em Salaminas (ilha próxima de Atenas).

  • Escreveu 74 peças (67 tragédias e 7 dramas satíricos). Algumas fontes atribuem-lhe 92 peças. Dessas chegaram até nossos dias um drama satírico (Os Ciclópes) e 18 tragédias: As Bacantes (provavelmente 405 a.C.), Medéia (431), Hipólito (428), As Troianas (415), Helena (412), Orestes (408), Ifigênia em Áulis (405), Andrômaca, Os Heráclidas, Hébuca, As Suplicantes, Electra (415-413), Héracles, Ifigênia em Táuris, Íon, As Fenícias, Alceste e Reso (contestada).

  • Eurípides apresenta o homem revoltado com sua condição, cuja alma sucumbe diante da realidade O homem como ele é, segundo Aristóteles, em oposição a como deveria ser apregoado por Sófocles. Vai-se do destino implacável esquiliano para a rebelião metafísica humana de Eurípides, passando pela esperança de Sófocles. Com Eurípides a tragédia mítica convertesse numa representação da vida cotidiana.

  • Eurípides está impregnado com as ideias e retórica dos sofistas.

  • Eurípides venceu apenas 4 vezes nos festivais a Dionísio (esquilo venceu 32 vezes e Sófocles mais de 20 vezes).

  • A ação de As Troianas passa-se em Troia logo após a queda da cidade. Foi encenada pela primeira vez em 415 a.C. e fazia parte da trilogia trágica com Alexandre (outro nome de Paris) e Palemedes (que desmascarou o engodo de Odisseu para não ir a Troia e é traído de morto por este), apresentada com a sátira Sísifo.

  • A autodefesa de Helena é típico discurso sofista ao tentar converter a pior coisa na melhor.

  • Gravura da morte de Astiânax: