As Suplicantes de Ésquilo


Personagens Principais Danaides – 50 filhas do rei Dánao Pelasgos – rei de Argos

Personagens Secundárias Dánao – pai das Danaides e irmão de Egipto

Interpretação Danaides são as cinquenta filhas do rei Dánao que, com ele, fugiram do Egito com medo de se casarem com os cinquenta filhos do seu tio Egipto. A narrativa de desenvolve em torno do pedido de asilo das Danaides ao rei de Argos, Pelasgo, e seu dilema entre proteger a cidade da fúria dos estrangeiros ou cumprir as regras sagradas de hospitalidade.

Vemos em Pelasgos um governante moderno, para a época, cujas ações são determinadas pela assembleia do povo, para a qual apela quando exige a gravidade e urgência das decisões.

Mais que isso, Pelasgo age como estadista ao colocar as leis dos céus acima dos riscos inerentes à proteção das suplicantes. E através do discurso eloquente angaria suporte unanime junto ao seu povo.



Notas

  • Ésquilo (525-456 a.C.) escreveu algo como 90 peças entre tragédias e sátiras, das quais apenas 7 chegaram até nós: Agamêmnon, Coéforas, Eumênides, Os Persas, Prometeu Acorrentado, Os Sete Contra Tebas e As Suplicantes.

  • A tragédia de Ésquilo é a ressurreição do homem heroico dentro do espírito de liberdade. Faz a ponte entre aristocracia do sangue de Píndaro (ansiava a restauração do mundo aristocrático de acordo com o espírito de submissão tradicional) até aristocracia do espírito e do conhecimento de Platão. Ésquilo vê um mundo onde o homem não tem chance de fazer frente as forças do destino, restando-lhe a busca da Diké interior para enfrentar o imponderável e aceitar suas consequências.

  • Ésquilo une a fé no direito, herdada de Sólon, às realidades da nova ordem republicana – o Estado é lugar ideal para seus versos. Compartia as mesmas convicções de Sólon, mas aquilo que este manifestava com tranquilidade e reflexão, Ésquilo apresenta com comoção e drama.

  • Ésquilo é o maior responsável pela formatação da tragédia apresentada nos festivais a Dionísio.

  • As Suplicantes foi encenada após 468 a.C. (provavelmente 463), e seria a primeira peça de uma trilogia seguida de Os Egípcios e As Danaides, fechando com o drama satírico Amyon.

  • As Danaides alegam serem descendentes de Io, jovem sacerdotisa de Hera em Argos que fora amante de Zeus e transformada em vaca pela deusa traída.