Guerra e Paz de Liev Tolstói


Personagens Principais Conde Pyotr (Pierre) Bezúkhov – filho ilegítimo e herdeiro do Conde Kiril Bezúkhov Príncipe Nikolai Andréievitch Bolkónski – pai de Andrei e Mária, excêntrico e mal-humorado Príncipe Andrei Nikolaievitch Bolkónski – militar de caráter forte, atencioso e filosófico Princesa Mária Nikolaievna Bolkónskaia – irmã de Andrei, piedosa e tímidaConde Iliá ndréievitch Róstov – nobre moscovita rico mas sem dom para os negócios Condessa Natalia Ilyinichna (Natasha) Rostova – jovem sonhadora e cheia de vida Conde Nikolai Róstov – hussardo nas guerras napoleônicas, filho mais velho dos Róstov Sofia Alexandrovna (Sônia) Rostova – órfã sobrinha de Iliá, apaixonada pelo primo Nikolai Condessa Vera Ilyinichna Rostova – filha mais velha de Iliá, casa-se com Berg Pyotr Ilyich (Pétia) Rostov – filho caçula dos Róstov Tio Róstov – nobre que optou por vida simples no campo Príncipe Vassili Sergeyevitch Kuráguin – nobre impiedoso que quer casar bem seus filhos Princesa Elena Vasilievna (Hélène) Kuragina – mulher infiel e alpinista social Príncipe Anatole Vasilievitch Kúraguin – jovem belo, amoral e concupiscente Príncipe Hippolyte Vasilievitch – filho mais velho e simplista de Vassili

Personagens Secundárias Príncipe Boris Drubetskói – aristocrata pobre e ambicioso, inescrupuloso Princesa Anna Miháilovna Drubetskaia (Belova) – nobre empobrecida, mãe de Boris Fiodor (Fiédia) Dólokhov – oficial psicótico que arruína Nikolai Róstov, aproveitador Adolph Karlvitch Berg – jovem oficial, casa-se com Vera Rostova Anna (Annette) Pávlovna Scherer – famosa anfitriã nos salões de Petersburgo Mária Akhrossímova – velha dama da sociedade, bem-humorada e brutalmente honesta Amalia Evgenievna Bourienne – francesa, dama de companhia de Mária Bolkónskaia Vassili (Vassia) Dmítrich Deníssov – amigo de Nikolai Róstov que propõe a Natasha Julie (Heloise) Karaguina – rica herdeira, desposa Boris Platon Karataev – arquétipo do camponês russo prisioneiro com Pierre Ióssif Alekséievitch Bazdiéiev – Maçom que atrai Pierre para a ordem Mikhail Ivánovitch – arquiteto que trabalha para o velho conde Bolkónski Bilíbin – diplomata russo que trabalha em Viena Tuchín – comandante canhoneiro que ajuda Nikolai Róstov Mítienka – secretário de Róstov para suas finanças Aníssia Fiodorovna – governanta na casa do tio Róstov Platon Karatáiev – velho soldado russo prisioneiro com Pierre

Interpretação Desde os anos 1850s Tólstoi demonstrava querer escrever um romance histórico contrastando a realidade da textura da vida com o quadro irreal apresentado pelos historiadores. O resultado está em Guerra e Paz que compreende dois livros: um filosófico no qual Tólstoi questiona a ciência histórica do seu tempo e outra envolvendo, principalmente, quatro famílias russas ao longo do conturbados anos da invasão francesa na Rússia (1805-1820).


A teoria filosófica do autor considera a história como produto do conjunto de ações individuais provocadas por motivações pessoais, que a Providência define, levando a resultados muito maiores que escapam a compreensão de todos. E ele vai demonstrar este princípio de imprevisibilidade nas guerras e batalhas definidas pela somatória das ações dos soldados e não pelos generais e estrategistas. Tólstoi aqui especula sobre como a história ocorre, quer desvendar se há e quais seriam suas leis. Em uma carta comentou com desdém que o público se interessaria mais pelas personagens e suas intrigas que por esta jornada em busca da verdade. Ele estava certo.


O verdadeira atrativo de Guerra e Paz está em acompanhar as transformações pelas quais passam Pierre Bezúkhov e os membros das famílias Róstov, Bolkónski e Kúraguin. Pierre, juntamente com Andrei Bolkónski, funciona em vários momentos como alter ego de Tólstoi que se utiliza de ambos para expressar muito de suas ideias. A família de Andrei é produto do iluminismo francês dentro da perspectiva russa, resgatada pelo verdadeiro Cristianismo de Mária Bolkónskaia. E a generosidade, calidez e ingenuidade da moscovita família Róstov contrasta com o materialismo, depravação e falta de escrúpulos dos Kúraguins da fria e corrupta São Petesburgo.


Tólstoi deixa clara sua preferência pela simplicidade da vida campestre, as tradições russas e os valores morais dos Róstovs e Bokónski que acabam se unindo em família apesar do vívido interesse de Vassili Kúraguin de unir seus filhos àquelas famílias por razões pecuniárias. O autor, carregado de fervor patriótico, tece um panorama da vida russa em diferentes momentos sociais e individuais.



Notas

  • Liev Tólstoi (1828-1910) nasceu na província de Tula na Rússia.

  • Filho de aristocratas, viveu em ambiente familiar culto. O catálogo de sua biblioteca compreendia mais de 20 mil títulos. Era poliglota.

  • Leva vida desregrada e mundana até 1869 quando tem um transe mítico em Arzana, onde havia ido comprar terras. Em 1879 abandona a Igreja e forma uma seita apregoando a simplicidade absoluta (sem igreja, padres e ícones) e condenando os vícios, comer carne e sexo (só permitido na procriação). Crio o tolo conceito de que temos que amar a todos igualmente (como Deus teria feito).

  • Em 1881 apresenta sua versão do Novo Testamento (expurgando as referências a divindade de Cristo) a Santo Ambrósio, e este o expulsa a pauladas. Tolstói virara um messiânico.

  • Principais obras: Guerra e Paz (1865-67 em série e 1869 em livro), Ana Karênina (1875-77) e A Morte de Ivan Ilitch (1886).

  • Conceito de história de Tólstoi não considera teoria das castas na evolução das civilizações.

  • As mudanças de perspectiva sobre a vida por que passam Pierre e Andrei depois de experiências próximas da morte lembram a experiência da personagem principal em A Morte de Ivan Ilitch.

  • Os casais Nikolai-Maria e Pierre-Natasha celebram o complemento mútuo, a comunhão de almas.