Rúdin de Ivan Turguêniev



Personagens Principais Dmitri Nikoláievitch Rúdin – homem inteligente mas incapaz de concretizar suas ideias Mikhálio Mikháilitch Liéjnev – dono de terras, amigo crítico de Rúdin Natália Aleksêievna – filha de Dária, enamora-se de Rúdin Aleksandra Pávlovna Lipina – jovem viúva sem filhos, caridosa Dária Mikháilovna Lassúnskaia – viúva aristocrática e pretensiosa


Personagens Secundárias Serguêi Pávlovitch Volíntsev – irmão de Aleksandra e administrador da sua propriedade Konstantin Diomíditch Pandaliévski – jovem bajulador secretário de Dária Bassístov – professor de Vânia e Piêtia, filhos de Dária, jovem bom e honesto Mlle. Boncourt – solteirona governanta na casa de Dária Afrikan Semiónovitch Pigássov – pequeno proprietário ranzinza e rancoroso

Interpretação Rúdin é um homem inteligente e de grande oratória que cativa a todos, porém não é capaz de materializar suas ideias, de transforma-las em ações concretas e reais, e com o tempo aqueles a quem cativava decepcionam-se e até viram-se contra ele. A personagem receia e esmorece quando confrontada com crise real que demanda coragem e resolução. Otto Maria Carpeaux definiu-o como “o moço inepto que se julga gênio e ao qual todos consideram gênio porque é moço”. Já para o escritor e crítico russo Vladimir Nabokov a personagem, um idealista progressista dos 1840s, pode ser resumido com a resposta de Hamlet “words, words, words.”


Sua retórica colocou-o em proeminência na juventude, e parece que ele nunca mais amadureceu. Como um jovem, em quem predomina a alma sensitiva aristotélica, Rúdin sofre de delírio de onipotência. Busca a perfeição pois não aceita as imperfeições naturais do mundo. Daí seu discurso ser tão atraente aos jovens e ingênuos.


Críticos veem em Rúdin uma mescla do anarquista Bakunin e Oblómov (personagem de Gontchárov), combinando o poder de mover paixões com a inação. De fato Oblómov foi escrito antes de Rúdin, e Turguêniev já havia abordado o “homem supérfluo” em obra anterior. E ainda o próprio Turguêniev comentou a inspiração em Bakunin para a sua personagem.


Com o passar dos anos o amigo Liéjnev vê em Rúdin a qualidade de inspirar as pessoas. Mas será que ele as inspira para as coisas corretas e elevadas? Parece que não. Rúdin seria mais um utopista a gerar os messiânicos que tanta desgraça trariam ao mundo.



Notas

  • Ivan Sergeievitch Turguêniev (1818-1883) nasceu em Oriol na Rússia. Otto Maria-Carpeaux o considera criador do romance ideológico da Rússia.

  • Pais e Filhos, publicada em 1862, é considerada sua obra-prima. Outras obras importantes são: Diário de um homem supérfluo (1850), Diário de um caçador (1852), Rúdin (1855), O primeiro amor (1860 - conto) e Fumaça (1867).

  • Artista puro, Turguêniev não teria ideologia definida, apesar de buscar o reconhecimento junto aos jovens revolucionários.

  • Foi o primeiro romancista russo que se tornou famoso na Europa.