Palavrões Ideológicos e Pudor Seletivo



A seguinte pequena nota do dia 05/08/2009 publicada no site esquerdista congressoemfoco (Olho no poder: Lobão engole palavrões de Lula) passou despercebida e largamente ignorada pela mídia de grande alcance:


“O presidente Lula usou boa parte do repertório de palavrões brasileiros para passar uma descompostura no ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. O sermão aconteceu pouco antes da assinatura do novo acordo entre Brasil e Paraguai sobre a hidrelétrica de Itaipu, no dia 25 de julho.


A reprimenda de Lula valeu também para o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, presente no encontro.


A irritação de Lula foi motivada pela resistência de Lobão e Gabrielli em assinar o acordo.


– Vai tomar no cú, Lobão! Não me venha com esse papo. Vocês querem que o Brasil repita com os países pobres o mesmo imperialismo dos Estados Unidos com toda a América do Sul. Vai tomar no cú.


Sem escutar os argumentos dos subalternos, Lula continuou a dizer o que pensava.


– O Brasil tem uma responsabilidade muito grande com os vizinhos, ainda mais com o


Paraguai, teve a guerra. Vocês querem foder o Lugo (Fernando Lugo, presidente do Paraguai), mas não vão.


– E não adianta vocês fazerem estas continhas, estes numerozinhos. Vocês vão tomar no cu.


A reprimenda de Lula foi reproduzida ao colunista por uma pessoa que tomou conhecimento da conversa. As frases, certamente, não são literais. Os palavrões e o sentido das reclamações do presidente, com segurança, são verdadeiros e ditos em grande quantidade.”


A resistência do ministro tinha motivo. Lula quis por que quis, romper o contrato de Itaipu já amplamente favorável ao Paraguai para beneficiar ainda mais o governo há poucos meses empossado do comunista Lugo, parceiro do PT no Foro de São Paulo. Lula xingou seu ministro por estar, em vão, dificultando seu intento de prejudicar o povo brasileiro em prol dos planos urdidos no Foro de São Paulo de construir a Pátria Grande.


A grande mídia sempre ignorou os palavrões de Lula. E pior, ignorou o quanto pôde (e muitos ainda tentam) os incontáveis crimes de Lula contra o povo brasileiro.


Por isso estranha-se esta súbita postura pudica do grande noticiário diante dos palavrões de Bolsonaro. Ainda mais quando estes foram ditos em defesa de suas promessas ao povo brasileiro que o elegeu – este sim entendeu o que foi dito e aplaudiu, reconhecendo que este Presidente defende os interesses do povo.


Fico imaginando como Moro, que parece ter soja ao invés de sangue nas veias, reagiria no lugar de Lobão diante daquele “vai tomar no cu”, provavelmente iria, com a cueca melada, chorar no colo da esposa.

©2019 by Cultura Animi