Notas Para a Definição de Cultura de T. S. Eliot



Para T. S. Eliot cultura é a uma criação da sociedade como um todo. Ela se expressa em cada indivíduo e em cada classe ou grupo social, mas está subordinada a sociedade que exerce um papel fundamental. Cultura não é a soma de diversas atividades, mas um modo de vida. É aquilo que torna a vida merecedora de ser vivida, uma civilização digna de sua existência, e.g. cultura grega.

Cultura compreende diversas espécies de realizações como (a) o refinamento de nossas maneiras (urbanidade) e civilidade, (b) o aprendizado da sabedoria acumulada do passado, (c) a filosofia expressa no interesse em ideias abstratas e a habilidade de lidar com elas, e (d) as artes em geral. Nenhum individuo pode abarcar a totalidade de todas estas atividades, apenas o conjunto da sociedade pode abraça-la em sua inteireza. A cultura de um indivíduo não pode ser isolada do seu grupo social, e a cultura deste grupo não pode ser abstraída daquela do conjunto da sociedade.

É difícil isolar o desenvolvimento cultural do desenvolvimento da religião, mas pode-se afirmar que nenhuma cultura surge sem uma base religiosa – cultura é a encarnação da religião de um povo. A religião oferece significado para a vida, suporte para a cultura e protege a massa da humanidade do tédio e do desespero. Assim como a cultura não pode ser preservada, ampliada e desenvolvida na ausência da religião, também a preservação e manutenção da religião demanda a preservação e manutenção da cultura. Religião e cultura devem ser preservadas e alentadas.

No início civilizacional religião, política, ciência e arte estão integradas e se confundem. À medida que a civilização torna-se mais complexa, maior especialização ocupacional se manifesta e aqueles aspectos do conhecimento começam a ser concebidos abstratamente separados um dos outros, chegando a um ponto em que se trava uma batalha consciente entre eles em busca de autonomia ou de domínio.

Esse conflito, em certos níveis e em certas situações, é altamente criativo. Surgem também as culturas de grupos ou de classes que se sobrepõe umas as outras afetando o conjunto da sociedade – e.g. a alta cultura permeia a cultura popular. Porém a cultura pode desintegrar-se se estes grupos deixam de falar entre si. A desintegração cultural está presente quando dois ou mais estratos se separam de tal modo que se tornam culturas distintas, ou quando a cultura do nível do grupo superior fragmenta ao ponto de cada fragmento representar unicamente uma atividade cultural – o pensamento religioso, a filosofia, a ciência e as artes se isolam e são cultivados por grupos que não conversam entre si. A deterioração nos níveis mais altos é uma questão que diz respeito não apenas ao grupo que é visivelmente afetado, mas a toda população.

Eliot destaca três condições que considera importantes para a manutenção da cultura:

  1. Buscar que as diferentes posições na sociedade sejam ocupadas pelos mais preparados para empreender as referentes funções (prevalecimento da meritocracia) visando à formação de elites dentro das diferentes classes e grupos sociais. Assegurando que do topo à base da estrutura social haja uma graduação contínua de níveis culturais, onde o topo não detém mais cultura que a base, mas sim uma cultura mais consciente e especializada. Lembrando que o principal meio de transmissão da cultura é a família, onde a reverência pelo passado (piedade com relação aos mortos) e pelo futuro (preocupação com os que ainda não nasceram) seja efetivamente cultivada. O fracasso da família nesta tarefa fatalmente leva a deterioração da cultura.

  2. Um povo não deve ser nem unido nem dividido em demasia para que a cultura floresça. A união excessiva pode levar à tirania e à barbárie (ameaça aos demais povos), e o excesso de divisão pode ser devido à decadência e também levar à tirana. É importante que o homem não se sinta um mero cidadão de uma nação em particular, mas um cidadão de uma parte particular de seu país, com suas lealdades locais que, como as lealdades aos grupos sociais, surgem de uma lealdade à família. Estas lealdades – familiares, de grupo e locais – sustentam umas as outras; e se uma delas se deteriora, as outras sofrem igualmente. Uma cultura nacional é resultante de um número indefinido de culturas locais que, por sua vez, são compostas de culturas locais ainda menores. As diferenças entre regiões (e entre os diferentes países) enriquece a cultura geral. A proposta pasteurização cultural embutida no “governo mundial” (ou qualquer tendência centralizadora de poder) é desumanizadora.

  3. A relação entre religião e cultura é estreita ao ponto de ser inevitável que quando defendemos nossa religião estamos também defendendo nossa cultura e vice-versa. A unidade da religião é vital, mas sem tirar espaço do eterno conflito entre ideias, pois é apenas através da luta contra ideias falsas que a verdade é ampliada e clarificada, é no conflito com a heresia que a ortodoxia se desenvolve e vem a alcançar as necessidades do nosso tempo. O temperamento regional e os diferentes extratos sociais devem expressar suas particularidades religiosas, mas o florescimento e manutenção da cultura exige a força unificadora da religião entre estes mesmos grupos geográficos e sociais.

Finalmente, Eliot procura desembaraçar a cultura da política e da educação.

Cultura é o produto de uma pletora de atividades mais ou menos harmônicas, cada uma das quais almejadas em si mesmas. Ela nunca é inteiramente consciente e não pode ser planejada, pois é também pano de fundo inconsciente de todo planejamento. A ideia de uma cultura forjada através da política é contrária a sua própria natureza. As ideologias políticas messiânicas pregam o utópico “novo homem” e acabam tiranicamente destruindo sua humanidade. O homem só melhora abandonando maus hábitos e tentando adquirir aqueles bons. Analogamente, uma sociedade deve aperfeiçoar-se quanto aos aspectos específicos onde o excesso ou a ausência são evidentes, com o cuidado de não estragar nada enquanto tenta consertar algo – princípio conservador.

Educar é elevar a capacidade do jovem em captar a realidade, desenvolvendo a consciência sobre mundo que o cerca, e sua posição nele e diante dos grandes mistérios. Porém a educação tem sido erroneamente tomada como instrumento para a realização de ideais sociais. A insanidade da educação igualitária nivela todos para baixo e impede a formação das elites necessária para o desenvolvimento cultural. Pior ainda quando o Estado busca impor a substituição da família pela escola na tarefa da educação, quebrando o principal elo de transmissão da cultura.


No seu sentido mais amplo cultura é toda produção humana (Leviatã), i.e. tudo aquilo que não pertence a natureza (Behemoth). Estes dois monstros são incompatíveis, há uma tensão eterna entre eles. A chegada do homem ao mundo provoca este conflito quando ele busca melhorar os aspectos da natureza que lhe são indesejáveis – a existência humana depende da exploração da natureza tal qual concedido por Deus.



Antropologicamente cultura era vista como a forma de ser de um povo, de uma nação. Com o tempo este conceito ampliou-se para também abarcar especificidades de grupos sociais e segmentos sociais, e.g. cultura empresarial e cultura hip-hop.

No sentido antropológico cultura passa a ser qualquer coisa e acaba sendo nada.


Cícero usou o termo cultura como metáfora na expressão cultura animi – “cultivo do espírito” – compreendendo a alma humana como um campo a ser arado, semeado e cuidado visando produzir a filosofia. Adquirir cultura é ampliar o horizonte de consciência, é adquirir os melhores exemplos e segui-los, é amadurecimento para enfrentar o devir.

Uma palavra de mesma raiz, cultus, já era associada não exatamente à vida de estudos, mas à religião, que é sua parente. O conceito era de “cuidado com os deuses” (cultus deorum), e implicava também uma relação com o cultivo da terra. A religião precisa ser cultivada para crescer e dar frutos na alma.


Há três meios pelos quais a cultura nos é entregue.

  1. Pela palavra escrita. A maior parte das entidades culturais são textos, livros, escritos. É o meio mais importante de todos. A palavra escrita não está nem no espaço nem no tempo. O que está escrito no papel está preso na linguagem, como se fosse um conteúdo para o qual somente olhássemos.

  2. Pelas artes do espaço que são fundamentalmente as artes plásticas (pintura, escultura, desenho, etc.) e a arquitetura. Inclui teatro e dança. É pela imagem.

  3. Pelas artes do tempo que são fundamentalmente as músicas em geral. A música não tem espaço algum.

Na prática há uma mistura das três formas acima. A ópera é o melhor exemplo: Ela é um tipo de forma artística em que você tem a palavra, pois ela canta uma história. Você tem o cenário teatral, portanto aparecem as artes plásticas e existe a música. A ópera, de todas as modalidades artísticas, é a mais completa. Outras formas mescladas são o teatro, a dança e o cinema.

Buscamos ter cultura para (a) não esquecer a herança dos nossos antepassados, e (b) aprender com os maiores legados e viver melhor neste mundo de mistérios e perigos. A cultura expande o horizonte de consciência para compreensão da estrutura da realidade e da nossa condição humana. Ela acelera o nosso amadurecimento.

É uma ingenuidade muito grande afirmar que a ignorância nos poupa do sofrimento. Não é possível alguém ser ignorante e ser feliz, a menos que esse alguém tenha como perspectiva de vida ser tão ignorante quanto um animal. Se a ideia é rebaixar o homem para um status inferior ao do humano, então esta regra – ignorante e feliz – é válida.



Alta cultura é a produção de alta qualidade que responde as questões fundamentais da sociedade em determinado momento, permitindo que a sociedade entenda sua estrutura interna e as possibilidades do indivíduo neste ambiente (e.g. O que significa ser brasileiro, neste momento, dentro da escala de valores universais?). Alta cultura representa o esforço coletivo de ganhar consciência sobre si mesmo, e produz um efeito libertador.

Cultura popular é aquela que nasce no seio da população, refletindo seu modo de vida. Mas as massas anônimas e sem raízes, produzidas pela Revolução Industrial, incentivaram o surgimento da cultura de massa que substituiu a popular. Perde sua espontaneidade, tornando-se mero empreendimento da indústria de entretenimento. É movimento de cima para baixo, com segmentação por classe e gerações. A cultura de massa (TV, cinema, música, etc.) transformou-se no principal canal de reengenharia social, procurando estabelecer novos padrões morais e comportamentais. Produz manipulação, gera escravidão.


Entre os principais inimigos da cultura encontramos: (a) o Estado (do local ao intento global) mais preocupado em aumentar seu poder que proteger a cultura, atacando os valores e instituições que tradicionalmente restringem sua expansão – as principais vítimas são a instituição familiar e a Igreja (escolas furtando o papel dos pais, liberação das drogas, sex lib, aborto, divórcio, gayzismo, laicismo, etc.); (b) muito dos formadores de opinião, como professores, jornalistas e escritores, que vendidos aos diferentes projetos de poder participam do ataque acima mencionado; (c) a tomada das artes pela indústria do entretenimento (pragmatismo econômico), muitas vezes financiada com o intuito de reengenharia social voltada para o ataque aos pilares culturais mencionado no primeiro item; (d) a visão antropológica de cultura adotada pelos intelectuais que iguala toda manifestação artística independentemente de sua complexidade e profundidade – considerando como iguais todas as manifestações culturais.



Os bens culturais artísticos apresentam forma (complexidade, relacionado com a qualidade de execução) e conteúdo (densidade, relacionado à profundidade e relevância do sentido da obra), podendo-se dividi-los nos quatro quadrantes abaixo conforme a maior ou menor complexidade da forma e densidade do conteúdo:



A herança erudita, a alta cultura, permeia e alimenta a cultura popular legítima. E ambas conformam os bens culturais artísticos que deve ser valorizados, fomentados e transmitidos para as gerações seguintes.




Notas

  • Thomas Stearns Eliot (1888-1965), nasceu em St. Louis, Missouri, EUA. Poeta, dramaturgo e crítico de literatura. Um dos maiores intelectuais do século XX.

  • Entre suas principais obras destacam-se: The Waste Land (1922), Murder in the Cathedral (drama – 1935), Four Quartes (poema – 1943), Notas para uma definição de cultura (1948) e The Criterion (editor – 1922-1939).

  • Discussão entre “nação cultural” e “estado nacional”: a existência de um grupo racial ou linguístico mais ou menos homogêneo ligado por uma tradição comum e pelo cultivo de uma cultura comum justifica o estabelecimento ou manutenção de uma unidade política independente?

  • “Justiça social” é uma expressão que nada significa, sendo usada apenas para despertar emoções no ouvinte bovinamente condicionado para tal.

  • Ministério (ou Secretaria) da Cultura é uma excrescência.

  • O processo de perda de cultura é indolor, podendo ser só detectado quando for tarde demais.

  • Cultura europeia é um legado do tripé Jerusalém, Atenas e Roma, beneficiada pelo intercambio com outras culturas sobre a base comum do cristianismo.

  • O multiculturalismo hoje professado não trata do saudável intercambio entre diferentes culturas, mas ataque frontal a cultura ocidental com o intuito de criar uma cultura global e, consequentemente a destruição da nossa humanidade.

©2019 by Cultura Animi