Comprovação das relações ilícitas entre a esquerda brasileira e os narcotraficantes das FARC



O International Institute for Strategic Studies (IISS) publicou no último 10 de maio dossiê intitulado The FARC Files: Venezuela, Ecuador and the secret archives of ‘Raúl Reyes’. O trabalho, encomendado pelo governo colombiano, traz analise sobre as relações da Venezuela e Equador com as FARC tendo como fonte principal os arquivos apreendidos no ataque surpresa do exército daquele governo contra o esconderijo de Raúl Reyes, um dos líderes da organização narcoterrorista FARC. Os arquivos analisados pela IISS tinham sido anteriormente confirmados como genuínos pela Interpol. A publicação, que prova cabalmente o apoio criminoso da Venezuela e do Equador as FARC, traz um CD-ROM com parte daqueles arquivos, mais especificamente uma parcela dos e-mails recebidos e enviados por Raúl Reyes ao longo dos últimos oito anos. Apesar desta seleção de e-mails visar apenas as relações daqueles dois países com as FARC, sua leitura revela uma série de evidências do envolvimento do governo de Lula, do Partido dos Trabalhadores e de outras pessoas e entidades locais com aquela organização. Estas informações são importantes e de grande interesse para os brasileiros, porém a grande mídia nacional praticamente as ignorou.

Os mais tradicionais jornais do eixo Rio - SP (Globo, JB, Folha e Estadão) fizeram apenas pequenas notas sobre as conclusões do dossiê com aparente preocupação em dar mais espaço as estapafúrdias negações das autoridades venezuelanas e equatorianas do que com a importância dos crimes ali comprovados. Nada se fala daqueles e-mails sobre o Brasil. Isso por si só já seria o suficiente para suspeitar de um coordenado acobertamento. Mas estes veículos, que se dizem de informação, foram mais além, gerando duas evidências de que ignorar a informação do envolvimento brasileiro com as FARC foi proposital:

  • A Folha de São Paulo na sua edição de 14/05/2011 teve o descaramento de publicar o seguinte: “O IISS afirmou não ter visto evidências de cumplicidade das autoridades brasileiras com as FARC. ‘Mas é importante verificar daqui para a frente como o Brasil abordou --e não abordou-- esse problema que está em seu quintal’, disse Smith.” Porém, basta ler o prefácio do dossiê ou assistir a apresentação da IISS à imprensa para comprovar que o estudo focou exclusivamente a questão envolvendo a Venezuela e o Equador, e que em nenhum momento o instituto analisou o envolvimento brasileiro. Portanto, nada poderia dizer sobre evidências de cumplicidade das autoridades brasileiras. Tanto que a frase seguinte atribuída a um dos editores do dossiê, James Lockhart Smith, faz referência a que tal investigação estaria ainda por se fazer. Mas o parágrafo da Folha de São Paulo foi meticulosamente redigido para enganar os leitores.

  • Em posição contrária a estes jornais, a revista Veja publicou, na mesma semana das notas acima, matéria apontando que os e-mails divulgados pela IISS traziam evidências da “promiscuidade entre o PT e o grupo narcoterrorista colombiano”. Mas diferentemente do que faz com outras denúncias publicadas por aquele semanário, desta vez os jornais preferiram dedicar-lhe o mais absoluto silêncio.

Os principais telejornais do país seguiram aqueles periódicos na divulgação do dossiê da IISS. A Bandeirantes chegou a citar o Brasil, mas apenas para dizer que a Venezuela concedia visto para agentes das FARC no seu escritório em Manaus, e ainda termina a matéria com a informação de que as autoridades venezuelanas consideram as informações “mentirosas”. A Globo e o SBT não fogem ao script: nada falam do Brasil, reduzem as provas a “supostos” envolvimentos da Venezuela e Equador com as FARC e voltam a divulgar suas respectivas negações.

Apenas o semanário Veja (então com uma editoria não-esquerdista) abordou o problema de frente na edição de 18/05/2011. Seguindo sua tradição de expor os crimes das FARC e suas relações com o PT, incluindo a exposição em 2005 das gravações onde Olivério Medina das FARC (cujo nome verdadeiro é Francisco Antonio Cadena Collazos – noms de guerre Camilo, Cura e La Locura) prometia doar US$5 milhões para a campanha de Lula, a revista fez questão de apresentar mais estas provas de que suas históricas denúncias, neste caso, sempre expressaram a realidade. Os jornalistas que assinam a matéria dizem ter passado “um pente fino” nos e-mail que acompanham o dossiê da IISS, dos quais divulgam as seguintes evidências:

  • As FARC agem com bastante liberdade no Brasil, onde conseguem documentos falsos (com suporte da Venezuela), recebem apoio de políticos e militantes de partidos de esquerda para arrecadar dinheiro, comprar armas e fazer proselitismo para conquistar simpatizantes e até recrutas para a guerrilha.

  • Olivério Medina seguiu trabalhando para as FARC mesmo depois de liberado pela Polícia Federal, a qual tinha prometido se aposentar de tais atividades. 

  • Antônio Carlos Viana, bancário e militante comunista, trama com um deputado chavista, também ligado às FARC, pegar carona no programa do governo brasileiro que instala Telecentros, com funcionamento via satélite, para o MST e povoado de pescadores com o objetivo de “ver se sobra algum centavo”. 

  • O grupo movimentava altas somas de dinheiro no país, com o ex-vereador em Guarulhos pelo PT, Edson Antônio Albertão, funcionando como caixa e “mula”. 

  • Paulo Ferreira, ex-tesoureiro do PT e então Secretário de Relações Internacionais do PT, reunia-se para discussões com as FARC apesar de ter negado isso quando entrevistado em 2005 por ocasião do escândalo da doação das FARC ao PT. 

  • Uma ala do PT era contrária a participação das FARC no Foro de São Paulo, mas estes nunca deixaram o Foro e as relações entre o partido e os narcoterroristas nunca foram interrompidas. 

  • A TeleSul, apoiada pelo governo brasileiro, emprega membros das FARC.Finalmente, a revista aponta a “suspeita” de que Lula esforçou-se para impedir a extradição do terrorista Olivério Medina quando este estava preso na Polícia Federal.

Ponto positivo para a Veja frente aos demais meios de comunicação. Porém o que eles publicam não é o suficiente. Tanto deixam de lado algumas informações, como, e mais importante, protegem Lula e não apresentam o quadro maior envolvendo o Foro de São Paulo e seu projeto totalitário para a América Latina.

Entre as informações contidas nos e-mails disponibilizados e não abordadas pela revista encontram-se as seguintes (os questionamentos são meus):

  • Além do plano de conseguir “algum centavo” dos Telecentros mencionado pela Veja, os e-mails ainda falam de computadores do Banco do Brasil e cestas-básicas da Petrobras a serem desviadas para a Colômbia. Que programas são estes? Quem são os responsáveis? Até onde vão os desvios do Erário para ajudar as FARC e encher os bolsos de seus meliantes? 

  • Várias menções de irrestrito apoio (e não “suposto” como escreve a Veja) de Lula contra a extradição de Olivério Medina. A dificuldade estava em como fazer isso sem custo político para Lula quando este ainda estava varrendo o “mensalão” para debaixo do tapete. Uma das ameaças citadas que pairava sobre Lula era armarem um escândalo ligando a proteção de Lula aos terroristas como contrapartida ao dinheiro recebido das FARC para sua campanha eleitoral. Se os e-mails explicitam o apoio de Lula em não extraditar o terrorista, por que a Veja fala apenas em “suspeita” da existência deste apoio? Este apoio já não configura a parceria de Lula, então na presidência do país, com os narcoterroristas das FARC?  

  • Menção do uso de encontros acadêmicos para fazer contato com potenciais agentes de influência visando defender os interesses da FARC no país de origem daqueles. Tudo no melhor estilo dos primórdios da antiga KGB. Num destes encontros estão os obscuros brasileiros Dr. César Neto e Dr. Nilo Ouriques. Além do já desmascarado Marco Aurélio “Top Top” Garcia, quem seriam os outros agentes de influência das FARC no Brasil?  

  • Uso de “uma espécie de ONG”, CELA (Centro de Estudos Latino-Americanos), criada pelas FARC no Brasil em 2001 para facilitar o recebimento de dinheiro do “governo bolivariano.” O CELA também foi mencionado como instrumento de doutrinação sobre o projeto bolivariano nas universidades brasileiras. O que mais que este CELA fez? Quanto dinheiro recebeu? De quem recebeu este dinheiro? 

  • Ordem de Raul Reyes autorizando que Albertão seja copiado em toda documentação das FARC, pois o considera pessoa de “inteira confiança”. Albertão inclusive abrigava em sua casa membros das FARC. Por que não vão atrás de Albertão? Manusear dinheiro entrado ilegalmente no país já não é mais crime? Ainda mais quando este dinheiro pertence à facção criminosa que mais envia drogas para o país? 

  • Albertão e Olivério Medina organizavam ida de jornalistas brasileiros aos esconderijos das FARC na selva amazônica para entrevistas exclusivas, com a garantia de apresentar aquela organização criminosa de maneira favorável. As tevês Record e Cultura,e a revista Caros Amigos são mencionadas. O SBT também já fez sua “exclusiva” com os narcoterroristas. Nos e-mails Raul Reyes sempre festejava estas oportunidades de aparecer e fortalecer sua organização. Belo papel do jornalismo brasileiro, não é mesmo? O que estes jornalistas ganharam para fazer propaganda do maior fornecedor de drogas consumidas no Brasil? 

  • Mais detalhes da divisão interna no PT quanto à presença das FARC no Foro de São Paulo em 2003. Comentam que o partido é um “saco de gatos ideológico”. Paulo Delgado, fundador do PT, seria um dos contrários as FARC. Paulo Ferreira, então Secretário de Relações Internacionais do PT, em julho daquele mesmo ano já dizia que a relação entre eles, PT e FARC, era “hoje mais importante do que nunca”. As FARC consideram a ala “social-democrata” do PT como a responsável pelas rusgas, acusando-a de não entender o caráter do Foro de São Paulo e suas normas constitutivas, e de estarem “destruindo seu caráter revolucionário”. Foro este que foi criado pelo próprio PT, presidido por Lula, com Fidel Castro em 1990.  

  • Em mais de uma oportunidade o físico José Walter Bautista Vidal, que até hoje vive do Erário, é citado em encontros com membros das FARC. Do que trataram? Alguém questionou o físico? 

  • Outras figurinhas carimbadas são mencionadas como interessantes para participar de eventos favoráveis as FARC: os professores da USP Emir Sader e José Welmonwicki, e Haroldo Lima, então deputado pelo PCdB e depois Diretor Geral da ANP no governo Lula. Também citam um professor licenciado em letras, tradutor espanhol-português, pertencente ao movimento Luis Carlos Preste, que estava trabalhando no Projeto Pro Jovem do governo Lula de onde saiu para dar suporte as FARC. A Polícia Federal já os interpelou os acima identificados? Quem é este professor? 

  • Outras pessoas e grupos brasileiros com os quais as FARC se reuniam são citados nos e-mails: João Pedro Stédile, o ex-padre Casaldáliga (presidente honorário da coordenadoria continental das FARC), PSOL e Movimento Luis Carlos Preste. E estes? Já foram convocados pela Polícia Federal? 

  • Vários e-mails citam genericamente sindicalistas como aliados no Brasil. Já no ano 2000 citavam um contato no sindicato da Petrobras visando criar uma “OPEP dos trabalhadores”. É para isso que servem os sindicatos e o imposto sindical compulsório? 

  • Menções ao caráter propagandístico das devoluções de seqüestrados. O objetivo é colocar o comandante das FARC em pé de igualdade com Uribe, então presidente da Colômbia, e emprestar aos narcoterroristas legitimidade como corrente política. Neste sentido festejam o apoio dos presidentes Lula e Correa. Em outro e-mail falam do compromisso de Lula, Correa, Kirchner, Morales e Chávez em fomentar este movimento de propaganda –todos eles são ou eram membros ativos do Foro de São Paulo da qual as FARC também participa.  

  • A TeleSur, com base em Caracas, é citada como sendo financiada pelos governos Chávez, Kirche e Lula. Além de empregar membros das FARC, o canal tem como objetivo declarado “liderar e promover a união dos povos do sul”, sendo uma voz “para a construção de uma nova ordem nas comunicações”. Um dos diretores da TeleSur é um jornalista esquerdista que sempre divulga “exclusivas” com as FARC. Os e-mails ainda dizem que o canal esta ligado a ANNCOL (Agência de Notícias Nova Colômbia) aberta em Estocolmo e que tem blog ativo no Brasil. 

  • Instituições como a TeleSur, Banco del Sur e Petro Sur são celebradas pelas FARC como importantes para o movimento de integração da América do Sul. O IISS, que teve acesso a muitos outros documentos internos das FARC, a classifica como de ideologia flagrantemente Marxista. Logo, uma integração continental implica, em longo prazo, na supressão das independências nacionais. Quanto dinheiro o governo de Lula e Dilma já desviou do Erário para este plano ocultado da população brasileira pelo governo e pela mídia subserviente? 

  • Diferentes e-mails demonstrando satisfação com a eminente entrada da Venezuela no Mercosul como mais um avanço no processo de integração, já que Chávez é mais combativo. Será que o que é bom para as FARC é bom para o Brasil? 

  • Denominação da UNASUR como um organismo “revolucionário”. A UNASUR foi criada em 2004 e soma-se, como foro político, aos demais movimentos de integração das comunicações (TeleSur), financeiro (Banco del Sur) e energético (Petro Sur).  

  • Vários e-mails cobrem o ambiente político no continente. Os comentários sobre o Brasil sempre apontam para Lula como um “amigo” das FARC. Todos, Cuba, FARC e demais membros do Foro de São Paulo, preocuparam-se muito com o “mensalão” e o risco de perder Lula, retrocedendo no processo de “integração” do continente. Vêem em Chávez e Lula os melhores representantes deste “processo de mudança”, apesar de considerem que ambos deveriam avançar mais rapidamente com a revolução continental. Acreditam que o eixo Cuba-Venezuela-Brasil é fundamental neste processo. Comentam a alegria de Lula com as vitórias eleitorais de Evo Morales e Michelle Bachelet em seus respectivos países, cujos partidos fazem parte do Foro de São Paulo. Também comentam a disputa de egos entre Lula e Chávez para ser visto como o “líder sul-americano”. Mesmo assim Chávez sempre se preocupou com a manutenção de Lula no poder e recomendou-lhe, no auge da crise do “mensalão”, que deveria ter conquistado mais prefeituras e ter maior aproximação com os movimentos sociais para proteger-se da oposição. Em 2005 as FARC festejavam a crescente união de Lula com Fidel e Chávez na luta “pelo poder para o povo”. Fidel lhe dava experiência e Chávez lhe emprestava a força revolucionária e a “predisposição de dar as riquezas de seu país também para os povos irmãos da região”. Será que é tão difícil entender o objetivo da revisão do acordo de Itaipu com o Paraguai, os empréstimos do BNDES para a Venezuela, a entrega das refinarias da Petrobras para Evo Morales na Bolívia, a passividade com os abusos dos parceiros no MERCOSUL, o suporte financeiro e político aos novos órgãos continentais acima citados, as dividas não pagas do Equador com o BNDES e tantos outras atividades obscuras que só favorecem os “povos irmãos” em detrimento do contribuinte brasileiro?

Como se vê a cobertura da Veja sobre as informações apresentadas nos e-mails aprendidos de Raul Reyes, e recentemente disponibilizadas, é superficial. E falha naquilo que seria o mais relevante para seus leitores, ou seja, elaborar sobre o pano de fundo desta evidente série de relações obscuras entre o governo de Lula e Dilma com as FARC, com a ditadura comunista de Fidel Castro, com o socialismo do século XXI de Hugo Chávez e com o projeto bolivariano. 

Por que a já desnudada agenda do Foro de São Paulo segue se impondo aos interesses nacionais sem que isso seja levado ao conhecimento da população brasileira pela grande mídia? Mesmo em sua denúncia do suposto aporte financeiro das FARC na eleição de Lula a revista Veja cuidadosamente ocultou o Foro de São Paulo. Assim a reportagem de 2005 fazia referência ao tema: “Os contatos políticos entre petistas e guerrilheiros das FARC são antigos. Começaram em 1990, quando o PT realizou um debate com partidos políticos e organizações sociais da América Latina e do Caribe para discutir os efeitos da queda do Muro de Berlim. De lá para cá, as relações se intensificaram, principalmente por meio das correntes esquerdistas do PT, como a Democracia Socialista, cuja estrela mais conhecida é o ministro Miguel Rossetto, do Desenvolvimento Agrário”. Aquele “debate” segue existindo até hoje e o que os e-mails de Raul Reyes revelam se encaixa perfeitamente nos conhecidos planos traçados no seio do Foro de São Paulo.

A presente divulgação de parte dos arquivos de Raul Reyes confirma, uma vez mais, não apenas as relações espúrias do governo de Lula e Dilma com o que há de pior no continente, mas também o sistemático acobertamento que a grande mídia faz dos planos totalitários de integração regional que seguem avançando sem o conhecimento e aprovação da população brasileira.